English Proficiency: como se tornar fluente em Inglês

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Como se Tornar Fluente em Inglês

Já imaginou ter um mapa da mina contando como se tornar fluente em Inglês sem sofrimento? Seria simplesmente magnífico, não seria?

Então, se eu te dissesse que, hoje, dedicarei um tempo para te entregar os segredos que concretizarão esse sonho? Você se animaria?

Se sim, ajeite-se na cadeira. Convido você a começar sua jornada junto comigo porque compartilhei informações muito interessantes. Elas poderão, de uma vez por todas, te ajudar nessa tarefa.

Assim, comecemos pelo ponto zero: o que é a tal fluência em Inglês?

O que vem a ser se tornar fluente em Inglês

Consultando um dicionário qualquer, descobrimos que fluência nada mais é que: qualidade daquilo que flui; fluidez. Ou, ainda, naturalidade; espontaneidade.

A água — brincando com os conselhos do Sr. Lee — é o melhor exemplo. Ela segue os caminhos que há. Se não há, ela os fabrica. Quando há obstáculos, ela os penetra e atravessa.

No Inglês, isso não é diferente. Pois, a tão deseja fluência é a capacidade de manifestar-se de modo fluido, natural e espontâneo.

Desse modo, se tornar fluente em Inglês é ser capaz de se comunicar bem e naturalmente nessa língua. É ser alguém que, realmente, sabe se relacionar em Inglês.

Os diferentes tipos de fluência

Quando falamos “fulano é fluente”, nos vem à mente uma ideia sólida. A de que essa pessoa fala, escreve, lê e ouve como se fosse um nativo de país anglófono.

E, embora não esteja de todo errada, precisamos ir mais a fundo. Afinal, mesmo quem nasceu num país de língua inglesa pode, por exemplo, não escrever bem ou, até, falar “errado”.

Acontece que, como em qualquer idioma, o Inglês possui, no mínimo, duas formas: a coloquial e a culta. Então vamos entender melhor.

Fluência em Inglês

Então vamos entender melhor

Coloquial diz respeito ao Inglês falando por qualquer pessoa. É a língua popular, com seus regionalismos, gírias e mesmo “incorreções”. No entanto, as pessoas se entendem tranquilamente.

Mas, a forma culta, por sua vez, diz respeito às convenções linguísticas. É utilizada em situações formais. São exemplos: contratos, produções acadêmicas, comunicações corporativas etc.

Sendo assim, se analisarmos com rigor, veremos que a norma culta do Inglês é bem distante da realidade dos falantes. Exatamente como acontece no nosso Português. Veja:

“Me faz um favor?”, em Português, é uma frase incorreta, do ponto de vista gramatical. Pois, não se inicia, segundo a norma culta, uma oração com uma próclise, não é mesmo?

Mas, se você disser a alguém “me faz um favor?”, a pessoa não vai entender perfeitamente? Então, se é alguém que acabou de aprender Português a disser, não poderá ser considerada fluente em nossa língua?

Aí que está: quando alguém busca se tornar fluente em Inglês, precisa ter em mente o que deseja.

Quer se comunicar bem? Entender e ser entendido? Pois bem: a abordagem será uma. Quer ser capaz de produzir obras literárias, ou trabalhar em um jornal de renome? Então, será outra.

Essa clareza de objetivos é decisiva para aprender Inglês e ser fluente. Afinal, a depender do que deseja, precisará empenhar meios e esforços específicos, para ter êxito.

English Proficiency: os critérios de nivelamento do estudante

No intento de agrupar pessoas de mesmo nível, as instituições de ensino criaram um certo padrão. Ele pode variar, de escola para escola, mas, no grosso, acaba sendo basicamente o mesmo.

A análise é, normalmente, baseada em:

  • Listening: o nível de compreensão em Inglês falado, a escuta;
  • Reading: a capacidade de compreender textos escritos em Inglês;
  • Speaking: a desenvoltura em comunicar-se através da fala em Inglês;
  • Writing: a habilidade de escrita em Inglês.

Assim, analisando cada uma dessas áreas de conhecimento, o estudante recebe, como classificação, um dos seguintes níveis:

  • A1 ou Beginner: quem acabou de iniciar seus estudos em língua inglesa;
  • A2 ou Elementary: já sabe alguma coisinha, mas tem, ainda, um longo caminho pela frente;
  • B1 ou Intermediate: avançou um tanto, porém precisa investir mais para se tornar fluente em Inglês;
  • B2 ou Upper Intermediate: superou a média, estando um degrau acima;
  • C1 ou Advanced: possui uma gama grande de conhecimentos. Está a um passo de se tornar fluente em Inglês;
  • C2 ou Proficient: alcançou a fluência, tendo naturalidade para entender e ser entendido.

As próprias escolas de Inglês, no ingresso do aluno, realizam o teste e nivelam. Porque isso ajuda a não haver sobrecarga ou perda de tempo, nos estudos.

Então, como você pôde reparar, aquela ideia sólida de fluência diz respeito ao nível C2: a proficiência em língua inglesa.

Assim, quando alguém deseja se tornar fluente em Inglês formalmente, é esse nível que busca.

As competências para se tornar fluente em Inglês no nível C2

Então, como disse, cada instituição, mais ou menos, possui seus próprios critérios. Todavia podemos nos basear CEFR. Trata-se de um padrão internacional de avaliação de idiomas.

Segundo o CEFR, utilizado pelo EF SET, por exemplo, uma pessoa possui o nível C2 quando:

  • Pode, com facilidade, compreender basicamente qualquer conteúdo ouvido ou lido;
  • É capaz de sintetizar informações de diferentes fontes, ditas ou escritas, reconstruindo argumentos, e explicar em uma apresentação coerente;
  • Consegue se expressar com espontaneidade, fluência e precisão, diferenciando finas nuanças semânticas mesmo nos mais complexos contextos.

Ou seja, há uma internalização profunda da língua inglesa e então a naturalidade de entender e se fazer entender neste idioma. Eis o conceito mais comum de fluência.

No entanto, é importante se lembrar: talvez você queira um pouco menos. Queira tão só saber o suficiente para “se virar” numa viagem. E não há qualquer problema.

É você o responsável por definir seu objetivo. Então, se está começando agora, é muito interessante “chutar baixo”. Comece progredindo um nível por vez. Apenas não se acomode. Estamos combinados?

Como se tornar fluente em Inglês na prática

A ideia de se tornar fluente em Inglês pode até parecer sonho distante para muitos. Contudo lembre-se de uma coisa tão simples que até parece piada:

Criancinhas, nascidas em países anglófonos, falam Inglês naturalmente antes mesmo de deixar as fraldas. Então, me conte: se elas podem, por que você não poderia?

“Ah, mas eu nasci no Brasil. Aqui é preciso estudar para aprender Inglês.”, você pode dizer. Ou mesmo: “Já estou velho. Crianças aprendem com mais facilidade”.

E, de fato, você nasceu no Brasil. Aqui falamos Português. E você já não é mais criança. Talvez até seja mais trabalhoso aprender algo agora. Mas e então? Vai desistir por causa disso?

Acontece que se tornar fluente em Inglês é tão simples quanto estar disposto. Assim como tudo na vida, basta que se queira, persevere e coloque meios para isso.

Obstáculos se apresentarão. Isso é óbvio. Mas, sabendo bem por quais motivos quer se tornar fluente em Inglês, você os superará.

Quais atitudes tomar para se tornar fluente em Inglês

A primeira delas é estudar com afinco. Assim, havendo possibilidade de contratar um professor ou curso, o faça. Existem bons cursos online eficientes e acessíveis. Caso contrário, busque aplicativos para aprender Inglês e entre de cabeça.

Mas não fique apenas nisso. Também é imprescindível aumentar o vocabulário em Inglês. Ensinamos o método da lista inteligente. Então, experimente! Você se surpreenderá.

Ainda, é importantíssimo praticar a imersão no Inglês. Sendo assim, ouça músicas, assista a filmes e séries em Inglês. Altere o idioma padrão do seu celular e computador. Coloque o Inglês em sua vida de verdade.

Além disso, busque familiares ou colegas para praticar conversação. Seja pessoalmente, por chat ou chamada de vídeo. Isso te ajudará a perder a inibição enquanto treina sua pronúncia.

Ah! E consuma leitura em Inglês também. Assim se gosta de ficção, compre livros ou baixe gratuitamente, na Internet. Se preferir notícias, leia-as em Inglês nos grandes jornais online.

Por fim, pratique, igualmente, a escrita. Plataformas como a Cambridge English Write & Improve farão toda a diferença.

Acompanhando seu progresso

Outra faceta muito relevante para se tornar fluente em Inglês é acompanhar seu progresso.

Então, há incontáveis testes online de nivelamento e proficiência. Vários deles, inclusive, são gratuitos. Embora não emitam certificados, eles te ajudarão a perceber o quanto está avançando.

E, quando sentir que chegou onde queria, realize um teste oficial. Assim, você pode pagar por um certificado ou, se preferir, buscar uma instituição que o emita gratuitamente.

O EF SET English Test é uma excelente opção gratuita. Por meio dele, você pode avaliar suas habilidades de listening e reading.

Com o certificado em mãos, você pode anexá-lo ao seu curriculum ou, mesmo, ao perfil do Linkedin. Pois, isso abrirá portas em sua vida profissional.

Mas não se esqueça de voltar aqui e nos contar de sua jornada. Adoraremos saber tudinho, cada etapa e sucesso. Seu comentário nos deixará felizes e dispostos a continuarmos.

Então, compartilhe esta matéria em suas redes sociais e mãos à obra! O passo mais importante você já deu: decidir se tornar fluente em Inglês. Agora, é trabalhar para chegar lá.

Pode contar conosco sempre, combinado?

Volte sempre, caro aluno! See ya! 

Mario Feitosa
Mario Feitosa
Mario Feitosa é músico, compositor popular, poeta e escritor. Atua, também, como professor de idiomas, redator, ghostwriter e revisor freelancer. É certificado, com o C2 Proficiency Level, pelo Instituto EF Education First em seu exame EF SET (Standard English Test).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *