Como aprender Inglês naturalmente

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Aprenda Inglês Naturalmente

Aprender Inglês, hoje em dia, é quase uma necessidade. Seja para trabalho ou por hobby, este idioma está cada vez mais presente em nossas vidas.

Seja na música, cinema ou nas salas de reunião, o Inglês é um onipresente. Mesmo em viagens para países que falam outra língua, ele pode ser de grande valia.

Porém, muita gente acha “chato” ou acaba se vendo submerso, quando começa a aprender Inglês. O que deveria ser divertido e agradável, acaba se tornando um pesadelo.

Mas não se preocupe: não é você nem o Inglês. Talvez você apenas esteja adotando o método menos eficaz.

Para que você retome o vigor e conclua de uma vez este projeto de vida, conte conosco. Apresentamos, a você, dicas infalíveis de como aprender Inglês naturalmente.

Vamos lá?

Antes de tudo: por que aprender Inglês

Não serei eu quem responderá esta pergunta. Ela cabe única e exclusivamente a você. Investigue sua motivação e a guarde num potinho. Você deverá voltar a ela sempre que o baixo astral atacar.

Contudo não posso não apontar quão magnífico é aprender outro idioma. Temos acesso a um novo mundo, novas culturas, um universo inteirinho de conhecimento.

Aprender Inglês não precisa ser apenas um atalho profissional. Pelo contrário: só quem experimenta ler um livro ou assistir a um filme original sabe do que estou falando.

E o que falta para você experimentar essa sensação?

Não fui eu, mas Einstein quem disse que tudo que aprendemos expande nossa mente. E mente expandida, nas palavras do Físico, nunca retomam seu tamanho original.

Por essas e outras, aprender Inglês naturalmente não apenas pode, como irá, mudar sua vida. E não apenas o Inglês. Há incontáveis línguas diferentes as quais pode-se estudar. Mas por que não começar pelo Inglês?

Um idioma simples, com resultados quase imediatos

Apesar de não ser uma língua “prima” do Português, o Inglês é bastante simples de aprender. Ouso, até, dizer ser muito mais simples que o Francês, por exemplo.

E olhe que o Francês nasceu da mesma raiz que nosso idioma, hein?

Quando digo que aprender Inglês é simples, refiro-me não à ausência de dificuldades. Falo, mesmo, da própria natureza do idioma.

Sem diminuir a língua, o Inglês é, praticamente, um idioma tribal. Apesar de milênios de existência, as construções permanecem tão simples quanto em épocas remotas.

Veja um exemplo, que ilustra bem a que me refiro:

No Português, temos o “tu”, o “você”, o “vós” e o “vocês”. Dois deles acompanham a língua há muito tempo. Os outros, surgiram mais recentemente.

Se digo “tu”, o verbo precisa concordar. “Foste”, por exemplo. Porém “tu foi” também funciona, dependendo do regionalismo empregado.

Mas não está “correto”, do ponto de vista da Gramática Normativa. Então, para falar com outras pessoas, tenho que conhecer, no mínimo, dez formas. Cansativo, não?

Já quando se começa a aprender Inglês, nota-se isto: “you” funciona tanto para o singular quanto para o plural. Isso porque, no fim das contas, o “you” acaba sendo sempre plural.

Ainda falando de verbos, pensemos no verbo “trabalhar”:

  • Eu trabalho;
  • Tu trabalhas;
  • Ele trabalha;
  • Você trabalha;
  • Nós trabalhamos;
  • Vós trabalhais;
  • Eles trabalham;
  • Vocês trabalham.

Para cada pessoa verboal, conjugamos de modo diferente. Façamos, então, o mesmo com o Inglês, trabalhando o verbo “work”:

  • I work: eu trabalho;
  • You work: você trabalha;
  • He works: ele trabalha;
  • She works ela trabalha;
  • It works: isso funciona (em sentido figurado);
  • We work: nós trabalhamos;
  • You work: vocês trabalham;
  • They work: eles trabalham.

Temos várias pessoas, mas apenas duas variações: com ou sem “s”, no final. Bem mais simples, concorda?

Simples, mas não necessariamente fácil

Penso ter conseguido expor meu ponto corretamente. Mas vale a pena pensar que aprender Inglês não necessariamente será fácil. Mesmo que a língua seja mais simples que a nossa.

Nós “nascemos” falando o Português. É o idioma com o qual primeiro nos relacionamos com o mundo. Por mais rico e complexo que seja, ele é natural, para nós.

Já o Inglês, não: é uma língua estrangeira, sem grandes relações com a nossa. Seus sotaques, a velocidade com a que falam os nativos… tudo pode tornar-se obstáculo, quando se quer aprender Inglês.

E por isso preciso que entenda: não será, obrigatoriamente, fácil. Porém tampouco será impossível.

Haverá momentos de desmotivação. Talvez o desejo de desistir. Não há sol todos os dias, afinal. Mas importa que você persevere e lute pelo que quer. E pode contar conosco, tudo bem?

Vejamos, então, pontos práticos que te ajudarão a aprender Inglês com naturalidade. Muitos deles farão, dos seus estudos, motivo de prazer e diversão.

Ao final, você terá superado suas barreiras. Bastará perseverar e aplicar suas energias naquilo que deseja, que é aprender Inglês.

Aprender Inglês pelos motivos certos

Aprenda Inglês Naturalmente

Cozinhar pode ser um prazer ou um parto. Mas quero que pense em duas situações hipotéticas:

Aqueles seus tios, de quem você não gosta, virão à sua casa sem convite. Sua mãe, querendo apaziguar os ânimos, prometeu que você fará “aquele assado que todo mundo ama”.

Como você irá cozinhar? Com prazer? Ou com senso de obrigação, com a má vontade quase no teto?

No entanto pense, agora, que você terá um encontro. Aquela pessoa, que você paquera há tempos, aceitou seu convite para jantar. Não muda tudo?

E não falo de mágica. Bons motivos nos fazem empregar nossos esforços em coisas melhores. Não apenas na cozinha. Aprender Inglês também segue a mesma lógica.

Por isso, se você começa a aprender Inglês por “obrigação”, já começa mal. Não o faça por simples obrigação. Faça encontrando um motivo bom e justo, que te eleve e fortaleça.

Se for por exigência de trabalho, pense como é maravilhoso estar no mercado. Pense, também, que aprender Inglês é um diferencial, no mesmo mercado.

Quem sabe não é só o que falta para uma promoção? Não seria boa hora para um aumento de salário e uma engordado no curriculum?

Mudar a mentalidade, ao aprender Inglês, pode ser a grande chave que fará todo o esforço ter sentido. Tendo, deixará de ser um peso. Aprender Inglês assumirá, na sua vida, o papel de superação.

Pode apostar.

Reconhecendo as limitações, ao aprender Inglês

Você já mudou sua mentalidade. Tenho certeza que está trabalhando na busca por motivos bons. E apoio muito essa postura!

Agora, é hora de colocar a mão na consciência e fazer o trabalho chato: assumir suas limitações.

Ninguém é robô ou máquina. Somos seres humanos dos mais diversos. Uns jogam bola como profissionais. Outros, ainda pequenos, aprenderam a tocar um instrumento musical.

Há quem tenha maior facilidade para isto ou aquilo. Isso é normal. Natural. Desenvolvemos certos talentos ao passo que, outras atividades, são mais custosas. Normal e esperado.

Ao se deparar com uma dificuldade, não se aflija: trabalhe em superá-la da melhor forma possível.

Talvez te seja muito custoso pronunciar as palavras. Não tem problema. Exercícios e audição resolverão este caso.

Pode ser que você tenha vergonha de falar, por medo de falar “errado”. Treino, gravações e prática te darão a segurança necessária.

Ler pode ser muito trabalhoso. Mas o costume tornará tudo mais brando.

No fim, não importa sua dificuldade. Importa, apenas, que você a conheça, reconheça e abrace. Fazendo isso, você encontrará um milhão de meios de superar-se e, finalmente, aprender Inglês.

Tenha ou não fé no que quiser. Só nunca perca a fé em si mesmo. Combinado? Olhe lá: fizemos um trato!

Busque ajuda sempre e sempre que precisar

Muita gente consegue aprender por si. Há quem nunca tenha frequentado uma única aula e, hoje, seja fluente. Aprender Inglês, como tudo na vida, tem muito disso.

No entanto uma coisa é certa: pedir ajuda nos livra de muito sofrimento. Seja para o que for.

Nunca sinta vergonha de perguntar. A curiosidade é a fadinha que alimenta nossa mente. Seja o Google, o dicionário, um amigo ou professor, conte com ajuda.

Chegará o momento — e não tarda — em que você é que ajudará os outros. Afinal uma mão sempre lavou e sempre lavará a outra. É muito mais fácil aprender Inglês com ajuda.

Conte com um bom curso que tenha professores experientes

Mesmo conseguindo aprender Inglês por sua própria conta, professores ajeitam o caminho. Afinal foram treinados para e amam ensinar.

Tendo possibilidade, ingresse num curso online. Não tendo, condições no momento há um mundo de dicas e aulas gratuitas por ai.

Aprendendo Inglês

Só tome muito cuidado com o estudar sozinho: aprender errado é um grande problema, viu? E, na vida, perder um vício é sempre mais complicado que ganhar uma virtude. Então, atenção!

Aprender Inglês naturalmente precisa de imersão

Não adianta só estudar Gramática. Nem vale ficar com a cara enfiada no dicionário. Não o tempo todo.

Aprender Inglês é um processo. Faz parte de nossa vida. E, por fazer parte, o estudo deve inserir-se em nossa vida. E nossa vida deve imergir no estudo.

Então, se quer mesmo aprender Inglês, adote o Inglês em sua vida. Você pode:

  • Assistir a filmes com áudio original;
  • Ler notícias em jornais redigidos em Inglês;
  • Ouvir músicas, que goste, em Inglês;
  • Entrar num bate-papo de um país de língua inglesa;
  • Mudar o idioma do seu computador ou celular para o Inglês;
  • Brincar de conversar, com os amigos, em Inglês;
  • Treinar redações simples — ou não — usando o idioma.

O céu é o limite. Importa que o Inglês comece a fazer parte de sua rotina. Isso tornará o idioma tão natural que você estará estudando mesmo sem se dar conta.

Treine, e faça, do treino, diversão

Inserindo o idioma em sua vida, você estará internalizando as regras. Irá aumentar o vocabulário sem sofrer. Aprender Inglês será mais fluido e ágil. Tenha certeza.

Mas não abandone os estudos. Nem o treino consciente. Mesmo porque um grande e recorrente bloqueio repousa na fala. Timidez e medo de errar também devem ser superados.

E, claro, não menospreze a Gramática. Conhecê-la e dominá-la é determinante na segurança e, também, no sucesso em aprender Inglês de forma correta.

Pratique muito. E estudo bastante. A cada novo degrau, você verá seus esforços florindo. Isso te dará ânimo e mais vontade de seguir progredindo. A fluência, então, estará a um novo passo de distância.

Teste-se

Por fim, prove ao mundo que conseguiu. Que superou todas as barreiras e conseguiu aprender Inglês e se tornar fluente.

Nesta etapa, busque uma instituição credenciada e adquira sua certificação em língua inglesa. Há várias, no Brasil. Algumas cobram, outras certificam de graça.

Mas consiga seu certificado, que comprova como cada passo foi importante. Como cada esforço seu foi imperativo para aprender Inglês de verdade.

Depois, volte aqui e nos conte como foi sua caminhada. Será um prazer receber seu comentário, contando-nos sobre seu sucesso.

Aprender Inglês não é para poucos. É para quem quiser. E sei que você quer muito.

Na esperança de ter semeado seu jardim, convido que volte sempre aqui. Que esteja sempre conosco.

Nosso maior prazer é ajudar você nesse percurso incrível. Que aprender Inglês torne-se um grande prazer e uma maravilhosa conquista em sua vida.

Até mais, caros alunos. Nos veremos bastante pelos próximos meses.

See ya!

Mario Feitosa
Mario Feitosa
Mario Feitosa é músico, compositor popular, poeta e escritor. Atua, também, como professor de idiomas, redator, ghostwriter e revisor freelancer. É certificado, com o C2 Proficiency Level, pelo Instituto EF Education First em seu exame EF SET (Standard English Test).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *