Unindo diversão e estudo: como aprender Inglês com música

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Aprender Inglês com Musicas

Já imaginou que maravilhoso seria aprender Inglês com música? Você combinaria uma prática prazerosa para quase todo mundo com outra um pouco mais árdua. E isso que veremos hoje.

Os passos para aprender Inglês com música de fato

Primeiro, você deve estar por dentro de como aprender Inglês sem sustos e de forma prática. Redigimos várias matérias com dicas e rotinas ótimas para te ajudar nesta tarefa.

A seguir, é importante lembrar que a música ajudará muito a aumentar o vocabulário em Inglês. Porém é importante saber como memorizar palavras sem o famoso “decoreba”.

Agora, sim, você conseguirá fazer de suas músicas favoritas instrumentos de seus estudos.

Vejamos, então, como fazê-lo. Você vem comigo?

A escolha da canção para aprender inglês

Por canção, entenda-se “música com letra”. Afinal, se não houver letra, não há como aprender Inglês com música, não é mesmo? Então, repare em algumas dicas de como escolher bem.

Assim, a primeira coisa é tomar uma canção que já seja familiar para você. Uma música antiga, que já ouviu muitas vezes, é sempre uma boa opção. Isso porque nossos ouvidos já se acostumaram com ela.

No entanto atenção: busque uma canção que você goste. Se for um sofrimento ouvi-la, ela não te ajudará em nada. Portanto, lembre-se: estamos unindo prazer com estudos.

Então, escolha uma canção que te agrada, acalma e deixa feliz.

Ainda, cuidado com o ritmo: se a canção for muito rápida, pode te estressar. Se muito lenta, vai, com toda certeza, tornar-se um tédio. O bom senso está no meio do caminho entre ambos.

Por fim, se for possível, tente pegar uma canção em que há repetições.

Refrões constantes e versos quadradinhos são mais fáceis de trabalhar que outros, mais complexos. Esteja confortável com as sonoridades.

Sabe qual estilo musical é praticamente unânime? Aquelas canções românticas, dos anos 70-90. Assuma, sei lá, “Skyline Pigeon”, do Elton John.

Iniciando os trabalhos

Por enquanto, não importa como se fala o nome da música ou da banda. Não importa do que trata a letra. Mas importa a familiaridade entre você e os sons da melodia cantada. Trabalharemos nisso.

Então, você vai baixar a canção, colocar na playlist do celular, no som do carro, no rádio da cozinha… até mesmo debaixo do travesseiro. Ouça e ouça, e ouça.

Ouça bastante, mesmo, a canção. Até que você conheça qual será o próximo som cantado. Isso é familiaridade.

Para aprender Inglês com música, é essencial essa familiaridade. É um grande diferencial ter, praticamente, decorado as sonoridades da canção. E isso leva algumas repetições.

Apenas não cometa o erro de tentar cantar junto, agora. O improviso estilo “Pepê e Neném” pode atrapalhar, mais tarde, a memorização correta das palavras.

Tenha em mente que adquirir um hábito é sempre mais fácil que abandonar um vício. E embolar a língua, ao falar, é um vício difícil de largar. Contenha-se em cantarolar, com lábios serrados.

Um conselho para aprender Inglês com Música

Mesmo que você gostasse muito da música, antes da escolha, talvez você enjoe. Não tem problema, e pode acontecer.

Assim, se for o caso, deixe-a de lado por um tempo. Ouça outras músicas que gosta e, depois, retome a atividade.

Contudo não adianta ter pressa. Cada pessoa aprende a seu tempo. O importante é perseverar.

Musicas para Aprender Inglês

Num caso mais extremo, se a canção se tornou insuportável, você vai precisar abandoná-la e encontrar outra. Aprender Inglês com música não pode ser um tormento. Lembre-se disso.

Mesclando sentimentos e significados para aprender Inglês com música

Você já gerou intimidade com a canção, certo? Então, chegou o momento de incluir o Inglês, de fato, em nossa tarefa. Mas não se preocupe. É fácil.

No entanto, aqui, você precisará ter acesso à tradução da letra. Para encontrar, use sempre uma fonte revisada e de confiança. Recomendo o Letras e o Vagalume, porém prefiro o primeiro.

É importante não tomar qualquer tradução para não acabar sendo enganado. Uma tradução ruim mentirá sobre os sentimentos expressados na canção, e tudo ficará muito confuso.

Com a boa tradução em mente, vamos aos trabalhos. Use sempre a metodologia de “lista inteligente”, que tratamos no artigo sobre aumentar o vocabulário. Ele está linkado acima.

Inserindo o Inglês, na tarefa

Agora, começamos a parte que demanda maior esforço. Mas, se você já chegou até aqui, então, por favor, persevere.

Pegue a letra original, aquela escrita em Inglês, e trate de lê-la, enquanto ouve a canção. Busque perceber quando começou e terminou cada palavra. Como ela foi dita.

Considere, claro, que há sotaques e diferenças regionais. Mas a pronúncia é, basicamente, aquela.

Assim, quando as palavras começarem a fazer sentido, no que está sendo cantado, é hora de ousar. Pause e repita. Isso! Repita a pronúncia ouvida com sua própria voz. Volte, ouça novamente e repita. Se estiverem parecidas, você progrediu bastante.

Investindo ainda mais esforços

Enfim, chegou a hora de reproduzir as palavras contidas na letra. E não há razão para vergonha. Cante feio, mas cante. Solte a voz e procure pronunciar clara e corretamente todas as palavras.

O que realmente importa é o esforço. Assim, qualquer atropelo faz parte do processo. O que queremos é que você se solte. Que se divirta. Então, o chuveiro é o melhor lugar para isso. Sim: cante no chuveiro!

Fonemas como “th”, o próprio “/r/”, combinado a outras consoantes — como em World — pode parecer custoso. Mas a prática leva à perfeição.

Só não se acostume com o erro. Pois isso gerará um vício, e já falamos a respeito.

Vê como aprender Inglês com música torna-se tarefa divertida e prazerosa?

Falando sobre gramática internalizada

A música cumpriu seu papel, pelo menos por enquanto. Ela te apresentou a pronúncia, entregou uma razão para memorizar e, melhor ainda, ensinou gramática internalizada. E saiba: de todas, a gramática internalizada é a mais importante.

Isso porque tal forma gramatical é justamente a que bebês usam, quando aprendem a falar. Ela não liga para regras e normas. Ela quer se expressar.

Quando adquirimos essa intuição do que e como dizer, já começamos a aprender o Inglês de verdade. Mas não é o fim. É, apenas, o começo.

Como você já sabe como dizer palavras, já identificou onde começa e termina o som de cada uma. E também já percebe a melodia que criam, leia a letra como se fosse um poema. Com pausas e entonações, unifique as palavras soltas em frases.

Busque sempre se lembrar de como soavam cantadas. E mantenha a atenção em reproduzir cada fonema corretamente. Então, recite a letra da música em Inglês, e estará falando naquele idioma.

O esforço não termina: aprender Inglês com música é trabalho constante

Funcionou com a primeira canção, não foi? Agora, é hora de trabalhar com outras. Então, siga os mesmos passos. porém perceba como, cada vez, fica mais fácil.

No passo do tempo, você sequer precisará de traduções. A canção fará sentido no instante em que você ouvi-la. Assim, aí, estará entrando na fluência.

Aprender Inglês com música também nos ajuda com o maior problema do aprendizado: a fala.

A maioria das pessoas sabe escrever, ler e ouvir, em Inglês. Contudo, na hora de falar, fica com medo, vergonha e sofre um “branco”.

O chuveiro pode ser um grande aliado: enquanto você canta, garante segurança de se expressar em público. Porque, lá, você treina os fonemas, as construções das palavras e a pronúncia correta.

Solte a língua! Não há razão para temer nada.

Mas só a música não resolve

Aprender Inglês com música é uma estratégia. Porém não se engane, acreditando que basta ouvir músicas para aprender algo. Não, mesmo.

Se fosse assim, assistir filmes de Bollywood ensinaria sânscrito, hindi e telugo. E sabemos que não é verdade.

Contudo o que estamos buscando, aqui, é facilitar o aprendizado e memorização daquilo que estudamos. Temos que dedicar parte do nosso tempo à fonética, Gramática e a exercícios.

Então, repare como professores de cursinho criam funks para ensinar fórmulas químicas. Por tal, podem transformar o “chato” em divertido, deixando tudo mais agradável.

Assim, longe de te entregar a chave do cofre, estou te apresentando um meio mais ágil e proveitoso de chegar aonde pretende: a fluência no Inglês.

Quero que siga todos os passos e, depois, quando estiver craque, volte aqui e me conte quanto foi bom misturar Inglês com música nos estudos.

E volte mesmo! Volte sempre, caro aluno. Nosso interesse é em seu aprendizado.

Mario Feitosa
Mario Feitosa
Mario Feitosa é músico, compositor popular, poeta e escritor. Atua, também, como professor de idiomas, redator, ghostwriter e revisor freelancer. É certificado, com o C2 Proficiency Level, pelo Instituto EF Education First em seu exame EF SET (Standard English Test).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *