Desvendando os segredos do Simple Past

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Simple Past

Aplicar corretamente o simple past é bastante simples. Contudo é necessário conhecer as variações de uso e as regras por trás desse importantíssimo tempo verbal da língua inglesa.

Antes de tudo, simple past refere-se ao passado simples. Este conceito abarca ações realizadas num momento anterior ao presente e já concluídas.

Está em relação direta, portanto, com o pretérito perfeito, do Português. “Eu era”, “ele foi”, “nós fizemos”, ao serem transportados para o Inglês, utilizarão o simples past.

Vejamos, agora, as principais características do simple past. Em seguida, conheceremos as regras de aplicação e variáveis mais frequentes.

Ao final desta matéria, você estará craque em referir-se ao passado concluído utilizando o simples past. Vamos juntos?

Características-

Terminação invariável, nos verbos regulares

Como já frisamos, o simple past trata, especificamente, de uma (única) ação passada e concluída. Se estava fazendo, no passado, e já terminou, é ele quem vale.

Falando da flexão do sufixo — ou seja, a terminação —, o simple past, nos verbos regulares, mostra-se muito mais simples que o nosso pretérito perfeito.

Isso ocorre porque, nestes casos, não há conjugação de cada pessoa verbal separadamente. Há o acréscimo da terminação necessária. Em seguida, a mesma reflete-se em todas as pessoas.

Irrelevância de duração e proximidade com o presente

O simple past não leva em consideração quanto tempo durou a ação. Importa apenas que tenha sido única, e já tenha terminado.

Se o ato de morar em outra cidade durou quinze dias, um ano ou vinte, pouco importa. Usa-se o simple past e, depois, acrescenta-se o detalhe.

Falando de proximidade da ação realizada com o presente, tampouco há relevância. Não importa se a ação foi concluída há um segundo ou há décadas. Tudo bem?

Mudanças drásticas, nos verbos irregulares

Já dissemos antes que a terminação, nos verbos regulares, não varia. Entretanto, nos verbos irregulares, podemos nos deparar com mudanças bem radicais entre o presente e o simple past.

Nessas situações, o hábito e a memória serão responsáveis por nos ajudar com o simple past. Leitura e estudos frequentes auxiliam muito na memorização adequada deles.

Assim, é completamente natural conviver com o erro, no início dos estudos. Porém busque acostumar-se com as formas corretas. É simples, se a atenção for constante.

Uso frequente de complementos

Ao utilizarmos o simple past, sempre nos depararemos com elementos de complementação. Eles relacionam-se à natureza da ação, e a explicam.

É como dissemos antes: se você morou em outra cidade, morou por determinado tempo. Essa informação é acrescida depois do verbo conjugado no simple past.

O mesmo ocorre quando a ação repetiu-se. Aqui, informa-se a frequência com complementos.

Há, também, a necessidade de informar complementos para períodos indeterminados. “Trabalhou lá por muitos anos”, sem especificar quantos, é um ótimo exemplo.

A formação do simple past nos verbos regulares

Verbos regulares são a esmagadora maioria, no Inglês. Por isso o simple past acaba sendo tão simples de ser aplicado a eles.

De modo geral, temos, como mais frequente, a seguinte estrutura. Apenas note que estamos falando de aplicações afirmativas, tudo bem? Veja só:

Radical do verbo + ED, em afirmações

 Simples como isso: em sentenças afirmativas, adotamos a estrutura do presente do verbo. Com ela, adicionamos ED, ao final. Eis a formação mais recorrente do simples past.

Aqui, conheçamos alguns exemplos, para fixação:

Ao dizer “trabalhei, trabalhou, trabalhamos, trabalharam”, temos “worked”. Repare como usamos o verbo “work” (trabalhar) como no presente, apenas acrescentando ED para formar o simple past.

Aqui, portanto, não há diferença quanto à pessoa verbal. “Worked” aplica-se em todas elas:

  • I worked: eu trabalhei;
  • You worked: você trabalhou;
  • He worked: ele trabalhou;
  • She worked: ela trabalhou;
  • It worked: isso trabalhou (ou funcionou, sentido mais comum, aqui);
  • We worked: nós trabalhamos;
  • You worked: vocês trabalharam
  • They worked: eles(as) trabalharam.

Essa estrutura valerá para uma infinidade de ações terminadas em consoantes:

  • Simple past de talk (falar) é talked;
  • De walk (andar): walked;
  • Watch (olhar, observar): watched;
  • Open (abrir): opened;
  • Visit (visitar): visited;
  • Wash (lavar): washed;
  • Kiss (beijar): kissed;
  • Etc.

Quando o verbo, no presente, termina em E

Há verbos que já possuem a terminação em E. Nestes casos, não é preciso duplicar a vogal.

Para formar o simple past deless, apenas acrescenta-se o D, que completa a terminação:

  • Arrive (chegar de viagem) torna-se simple past acrescentando a letra D: arrived;
  • Like (gostar) fica liked;
  • Love (amar): loved;
  • Smile (sorrir): smiled;
  • Etc.

Simple Past de verbos regulares terminados em Y

Quando o verbo, no presente, termina em Y, uma pequena mudança pode ser necessária. Isso ocorre quando o Y é precedido por uma consoante.

Neste então, antes de acrescentarmos o ED, alteramos o Y para a letra I. Fica assim:

  • Study (estudar): studied;
  • Copy (copiar): copied;
  • Cry (chorar): cried;
  • Etc.

Nos casos em que a letra Y é precedida por vogal, segue-se o acréscimo normal de ED:

  • Play (tocar): played;
  • Stay (permanecer): stayed;
  • Pray (rezar): prayed;
  • Etc.

Simple past nos casos Consoante + Vogal + Consoante

Nos verbos cuja terminação do presente ocorram consoante + vogal + consoante, duplica-se a letra final. Importa, apenas, que seja tônica a sílaba final. É bastante simples:

  • Stop (parar): stopped;
  • Plan (planejar): planned.

Repare como “visit”, embora terminado em consoante + vogal + consoante não é afetado. Justamente por isso não duplicamos a consoante final.

Afinal, em visit, a sílaba tônica é o “vi”. Já em stop, a sílaba final é tônica. Assim, em resumo:

consoante + vogal + consoante, formando tônica = consoante final duplicada

O simple past nos verbos irregulares

Falando dos verbos irregulares, o simples past não possue regra. Contudo é como dissemos antes: não precisa se assustar. Hábito e leitura resolverão o caso.

Vejamos, então, alguns dos casos mais comuns de verbos irregulares e sua forma no simple past:

  • Buy (comprar), no simple past: bought;
  • Write (escrever): wrote;
  • Give (dar): gave;
  • Do (fazer): did;
  • Go (ir): went;
  • Know (saber): knew;
  • Come (vir, chegar): came;
  • Etc.
O simple past -verbos irregulares

Para se acostumar com esses verbos no simple past, você pode valer-se de uma lista como esta. O contato com esses verbos irregulares os internaliza.

Quanto mais você ler e aplicar, mais fácil será a memorização. Com isso, você evitará aplicações indevidas do simple past nestes casos.

O segredo para aprender o simple past com maestria é estudar bastante. Fazendo-o, num piscar de olhos, você se lembrará da forma adequada.

Aplicando os complementos, no simple past

 Como dissemos antes, o simple past está intimamente ligado aos complementos e condicionantes.

Assim, organizemos os complementos com base em sua natureza. Desse modo, formamos o simple past de maneira correta e adequada à Gramática inglesa.

Complementos de ação com frequência estabelecida

O simple past lida com ações únicas. No entanto elas podem ter ocorrido outras vezes, no passado. Aqui, falamos de hábitos ou ações que já se repetiram.

Temos, então, a aplicação do complemento que informa esse dado. Essa é a estrutura formal esperada, no simple past. Nela, often, always, never, sometimes são aplicadas. Por exemplo:

  • I never went to Rio de Janeiro — Eu nunca fui ao Rio de Janeiro.

Complementos de tempo com duração determinada

Se a ação teve duração conhecida, complementamos o simple past com a informação. Temos, portanto:

  • She studied English for three years — Ela estudou Inglês por três anos;
  • They stayed there for half an hour — Eles ficaram lá por meia hora;
  • I went to Pernambuco seven times in the last decade — Fui a Pernambuco sete vezes na última década.

Complementos quando o período é indeterminado

Quando a ação ocorreu, mas apenas possuímos uma ideia geral, ainda assim informamos o dado. Assim, temos “when I was a child” (quando eu era criança) e outros complementos genéricos. Vejamos:

  • I falled in love the first time I saw her — Eu me apaixonei na primeira vez que a vi;
  • He watched the show yesterday — Ele assistiu ao show ontem;
  • She won the contest years ago — Ela venceu o concurso há anos.

O simple past do verb to be

O importantíssimo e cheio de fama verb to be possui, também, sua forma no simple past. Embora haja confusão, ela é mais simples que o presente desde verbo.

Quando conjugamos o verb to be no simple past, temos:

  • I was;
  • You were;
  • He was;
  • She was;
  • It was;
  • We were;
  • You were;
  • They were.

Para fixar com facilidade, lembre-se: a primeira e terceira pessoa do singular levam “was”. Com isso temos o I, o He, She e o It. Todas as demais (que dizem respeito ao plural), levam “were”.

E, para não gerar confusão, “you” sempre se comporta como se estivesse no plural. Isso ocorre porque o Inglês não possui um “tu”, como o nosso. Embora possa-se falar com um único indivíduo, sempre usamos “you”.

Simple past em negações, interrogações e interrogações negativas

Como já conhecemos os desdobramentos do simple past em afirmações, vejamos outros usos. Eles se referem a negações, interrogações e interrogações negativas.

Nestes casos todos, faremos a conjugação para o simple past utilizando o verbo auxiliar “do”. Para tal, colocaremos o “do” no simple past e manteremos o verbo principal no presente.

Veja só.

Usando o simple past em negações

Para construir sentenças de negação, utilizaremos, como antedito, o verbo auxiliar “do”. Ele assumirá sua forma em simple past, o “did”. A fim de garantir caráter negativo, adicionaremos, ainda, o “not”.

Temos, então, “did not + verbo” para produzir negações, no simple past:

  • They did not go to school the day before yesterday — Eles não foram à escola anteontem (did — no simple past — + not + verbo no presente);
  • I did not eat my breakfast this morning — Eu não comi meu café da manhã hoje cedo;
  • You did not dance last Friday — Você não dançou na sexta-feira passada.

Vale lembrar que, informalmente, podemos usar a modulação “didn’t” para expressar o “did not”. Todavia a grafia culta não admite essa forma. Portanto, atenção.

Simple Past em interrogações

Interrogações - Simple Past

Novamente, temos o verbo “do” no simple past, para a construção. O verbo principal também mantém-se no presente. A diferença fica na inversão do pronome. Ele vem depois do did:

  • Did they go to school the day before yesterday? — Eles foram à escolar anteontem?
  • Did you eat your breakfast this morning? — Você comeu seu café-da-manhã hoje cedo?
  • Did you dance last Friday? — Você dançou sexta-feira passada?

A inversão de ordem do pronome com o verbo auxiliar “do” é a forma normal de interrogações. No caso, apenas conjugamos o “do” em “did” e zaz!

Interrogações negativas com o Simple Past

Sem grandes segredos, as interrogações negativas serão a soma das formas anteriores. Elas casarão o verbo auxiliar, conversão de ordem e acréscimo do “not”.

Desse modo, teremos:

  • Did they not go to school the day before yesterday? — Eles não foram à escolar anteontem?
  • Did you not eat your breakfast this morning? — Você não comeu seu café da manhã hoje cedo?
  • Did you not dance last Friday? — Você não dançou sexta-feira passada?
  • Did you not understand the explanation? — Você não entendeu a explicação?

Resumindo

Para encerrar, revisemos tudo que nos foi mostrado hoje. Atentar-se mais de uma vez a um ponto é a receita para memorizar com naturalidade e eficiência:

  • Em verbos regulares, frequentemente usamos o verbo igual ao presente + ED;
  • Se terminado em “e”, apenas acrescentamos o “D”;
  • Quando terminado em “y” precedido por consoante, trocamos a letra por I + ED;
  • Nos casos de consoante + vogal + consoante tônicas, duplicamos a última consoante e acrescentamos ED;
  • Verbos irregulares devem ter suas formas assimiladas por leitura e hábito de estudos;
  • No verb to be, singulares (menos “you” singular) vão com “was”, plurais com “were”;
  • Negações, interrogações e interrogações negativas, no simple past, valendo-se do verbo auxiliar “do” conjugado (tornando-se “did”) + verbo no presente.

E então? Conseguiu tirar todas as suas dúvidas e dominar definitivamente o simple past? Claro que você terá que se debruçar um tanto sobre esta matéria.

No entanto, com dedicação e esforço, você conseguirá aproveitar todas essas dicas, que hoje passei.

Contudo, se ainda ficou algo sombrio, basta você nos deixar um comentário.

Agora, é hora de compartilhar com seus amigos nossos materiais. E lembre-se de voltar sempre aqui. Novas matérias sairão quentinhas.

E como muitos de vocês já nos perguntaram, listamos aqui alguns cursos online de inglês para quem quer avançar nos estudos.

Muito mais que o assunto de hoje, nós te ajudaremos a aprender a Língua Inglesa de forma divertida e descomplicada. Por isso, esteja sempre por aqui.

Até logo, caros alunos!

Mario Feitosa
Mario Feitosa
Mario Feitosa é músico, compositor popular, poeta e escritor. Atua, também, como professor de idiomas, redator, ghostwriter e revisor freelancer. É certificado, com o C2 Proficiency Level, pelo Instituto EF Education First em seu exame EF SET (Standard English Test).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *